Fábio Costa
Se faz necessário transpor a alma através das palavras.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Contramão

Eu ficava tonto. Mesmo lento, o carrossel da vida me deixava enjoado, indisposto, monótono.

Havia sim momentos de luz e magia e os olhos se enchiam de beleza. Cada giro, mesmo estando no mesmo lugar, captava olhares extasiados com as cores vivas do meu corcel.

A vida girava e eu desbotava na mesma proporção. Eu produzia alegria, isto era fato. Os que se aproximavam sentiam leveza no espírito e por instantes, que o relógio não podia captar, bailavam num para cima e para baixo nostálgico, mas extremamente apaziguador.

Findava dia, findava noite eu me encontrava lá, sempre aposto para acolher vidas necessitadas de um momento lúdico. Mas o destino era o mesmo para todos nós. Produzir encanto e ilusão até que as cores não fossem mais vistosas e nem rangesse mais as articulações. Substituições sempre aconteciam.

Pois bem, o carrossel continua girando. Minhas cores não são mais as mesmas e eu não tive opção. Decidi girar na contramão. Aqui no meio do nada não há música e nem holofotes. Não há tanta ilusão. Mas há cheiro de brisa fresca e ela dá brilho ao meu corcel.

Na contramão há sempre vazios, caminhos distintos e muita opção. A vida gira mais lenta e o enjoo tem menos incisão. Quem se achega ainda encontra vida e se encanta com minha própria canção.

Sou corcel gasto pelo tempo e decidi ir pela contramão.
Fábio G Costa
Enviado por Fábio G Costa em 20/08/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de Pe. Fábio Costa e o site www.facebook.com/ensaiopoetico). Você não pode criar obras derivadas.


Comentários