Fábio Costa
Se faz necessário transpor a alma através das palavras.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Sempre mais do mesmo
 

Me vejo ali,
Na esquina da vida,
Com inúmeras ruelas que não me levam a lugar algum.
E o olhar fixo no meu desejo de mudar os passos.
 
Ali, por um segundo fecho os olhos.
Sinto o ar pesado das escolhas que fiz.
E por instantes não consigo pensar em nada, além de mim.
 
Há algum som no ar.
Seria minha canção preferida?
Seria o grito de um outro no qual projetei o meu?
Ou seria o silêncio da transformação.
 
A luz do poste acima dos meus cabelos
Projeta a sombra de um eu que não conheço.
Um eu tão perto de mim e tão distante.
É sombra inabitada.
 
Os carros que trafegam
Levam almas sedentas de amor.
No frenesi do asfalto, não se dão conta do meu olhar observador.
Seria eu a preencher estas almas ou o contemplado?
 
Observo, por fim, o muro rabiscado à minha frente.
Imagino-o todo branco.
Ao centro a frase que dá nome a este poema.
“Sempre mais do mesmo”.
Ponto final.
 
Fábio G Costa
Enviado por Fábio G Costa em 06/04/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de Pe. Fábio Costa e o site www.facebook.com/ensaiopoetico). Você não pode criar obras derivadas.


Comentários