Fábio Costa
Se faz necessário transpor a alma através das palavras.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Primeiro poema
Fábio Costa

 
Lembro do peso do ar naquela tarde cinza.
Ainda, sinto os pulmões fracassando ao respirar.
Recordo a dor pulsante que paralisava o sangue
Impedindo-me de dizer o que estava a sufocar.
Sobrou-me, então, a Lettera 82 e um papel despido de razão .
 
Por que será que os poemas nascem em dias tristes?
Será a tristeza combustível para a produção?
Como posso, então, escrever sobre a alegria que incide
Em meus dias de penosa solidão?
 
Lembro do meu primeiro poema datilografado;
Registrado naquele rascunho fadado ao lixo.
A folha se perdeu, como muito em minha vida
Mas a memória daquele momento sempre viveu.
 
E se questionado for quanto ao meu poema
Direi das alegrias que ele me proporcionou.
É justamente nas entrelinhas
Que desfaço o cansaço e amenizo a dor.
 
Os dizeres dos primeiros versos eu não recordo,
Se era rima, se tinha métrica ou polidez...
Tinha sim um poeta em construção
E era dia cinza; marcado pela solidão.
E eu não chorei.
 
Transformei angústia em versos.
Papel de lixo em alcorão.
 
Pe Fábio Costa
Enviado por Pe Fábio Costa em 26/11/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de Pe. Fábio Costa e o site www.facebook.com/ensaiopoetico). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários