Fábio Costa
Se faz necessário transpor a alma através das palavras.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Nas mãos do impossível 

Foi como um sino tocado fora de hora.
Assustei com a ideia que se iluminou do nada.
Tudo fez sentido e se desfez de sentido
Numa fração de segundos.
 
Senti-me nas mãos do impossível.
Sim. Descobri que não existo fora dele.
O que move meu espírito é a impossibilidade
E foi dolorido tomar consciência deste mecanismo.
 
Apesar das leituras indicarem visões diversas,
Não quis enganar meu coração.
Se para uns o impossível lança desafios
Para mim soou como frustração.
 
Sou cercado de impossibilidades
Das mais diversas formas possíveis.
Sou tocado pela divindade
E também por uma humanidade indizível.
 
E assim, nas mãos do impossível
Dou passos incertos na direção do nada.
Engano a mente com visões de futuro
Mas no agora, sou impossibilidade nata.
 
Pode perguntar se não me angustio
Vou responder com dureza de alma.
Ser moldado pelo impossível
É nadar num rio de lágrimas.
 
Então você chora por isso?
Pergunta uma língua afiada.
Choro por isso e por tantos impossíveis
Que me visitam em sonhos e palavras.
 
Pe Fábio Costa
Enviado por Pe Fábio Costa em 24/08/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de Pe. Fábio Costa e o site www.facebook.com/ensaiopoetico). Você não pode criar obras derivadas.


Comentários