Fábio Costa
Se faz necessário transpor a alma através das palavras.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Divisor de águas

​​​​​​
Quando o peito range no silêncio
O que sobra é o choro entalado na garganta.
Não se luta em vão neste momento,
Apenas se descobre frágil, sem ação.

Muitos dizem que isto é amor
Eu chamaria de divisor de águas.
É quando se deixa de lado a criança
Isenta de dor, afagada no colo acolhedor
E no espelho vê-se o adulto que arde em chamas
Impelido pela dúvida de ser quem é.

Ah choro meu, choro seu. 
Que não tem hora de arrombar o peito.
Derrube a certeza de que sou apenas meu.
Lance-me na angústia de viver.

E se a dor for divisor de águas
Que eu nade para o fundo meu,
Ali onde ainda sou menino
Mesmo tendo barba e dívidas com meu eu.

Assim não negarei as amarras
Que me impus diante do seu eu.
Não terei noites em claro
Nem garganta segurando o choro que doeu.
Pe Fábio Costa
Enviado por Pe Fábio Costa em 22/07/2018
Alterado em 23/07/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de Pe. Fábio Costa e o site www.facebook.com/ensaiopoetico). Você não pode criar obras derivadas.


Comentários