Fábio Costa
Se faz necessário transpor a alma através das palavras.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Funcionalidade do Ser
 
A pele trazia as marcas do existir.
Rugas e trincas que revelavam as quedas.
Mordaça imposta pela incapacidade de dizer.
 
Quanta corda tinha o homem suportado?
Quanta engrenagem interior destruída?
 
Não era fácil existir.
Funcionalidade exercida no devir.
Alma fadada à morte.
 
Saber-se assim, mortal e frágil não doía.
Era apenas preciso revisitar os mecanismos.
Lubrificar as partes que rangiam.
 
Máquina que se esvai.
Pele que se deteriora.
Tempo que machuca.
 
Esse corpo a cada um doado,
Manipulado pelas regras de outros desejos,
Segue dando sinais de vida
Não se rendendo à perda da liberdade.
 
É apenas alma dilatada e abatida
Aguardando o eco que sai do interior.
Escuta-se o desejo que grita.
Toma-se o chapéu.
A beleza ainda rege o dom da vida.
 
Pe Fábio Costa
Enviado por Pe Fábio Costa em 02/05/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de Pe. Fábio Costa e o site www.facebook.com/ensaiopoetico). Você não pode criar obras derivadas.


Comentários