Fábio Costa
Se faz necessário transpor a alma através das palavras.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Dia (Binho)
 
E esse propósito social?
De todos serem politicamente corretos.
De não pagarem o mal com o mal?
De serem bons por natureza.
 
Onde mora a bondade?
Não estaria o mundo como está
Devido à falta de personalidade?
De tentar ser o que não é?
 
A falsidade toma os quatro cantos da vida.
Sorri-se com afeto, apunhalando a faca da discórdia.
Posta-se foto com sorriso aberto,
E no quarto, sozinho reina o incorreto.
 
Solte o diabinho que há em você.
Confronte-se com a sua sombra imaginavelmente oculta.
Sua dor é pura angústia,
De tentar ser bom, sem nenhuma culpa.
 
Desista, pobre diabo em construção.
Você só será bom, se entender o coração.
Que almeja o céu com glórias,
Sem abrir mão de suas vitórias.
 
E vencer, muitas vezes é ser cruel.
É dar conta da maldade do seu ser.
Não tampe o espelho que lhe revela
O diabo que habita em você.
 
Lide com tranquilidade.
Aceite o engano e a maldade.
E assim você será livre,
Para fazer escolhas de verdade.
 
E se a vontade de colocar a culpa em outros lhe rondar,
Desminta e com coragem venha afirmar,
Que o seu desejo mais íntimo é vivenciar
As maldades que o mundo não lhe quis dar.
 
Oh pequeno diabinho em construção.
Quanto mais o mal se nega, menos há conversão.
De status e vanglórias vive o homem
O resto é pura ilusão.
 
Desculpe-me se com esses versos lhe desapontei.
Não faço poemas com o coração.
A razão ocupa o espaço da alma
E ali, não cabe afeição.
 
Triste mesmo é não reconhecer-se diabólico.
É viver iludido como falso cristão.
Se até Cristo foi tentado interiormente,
Quem diria você, um pobretão.
 
Estou lidando com o mal que habita em mim.
Alimento-o de madrugada, na solidão.
Digo a ele que não venha disfarçado,
Mas que seja digno de dar-me uma solução.
 
Controlando o diabinho que há em mim
Vejo luz em meio à escuridão.
Serei melhor a cada dia que o enfrentar.
Serei consciente da minha podridão.
 
         F©
MCMLXXVIII
 
Pe Fábio Costa
Enviado por Pe Fábio Costa em 16/04/2018
Alterado em 16/04/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de Pe. Fábio Costa e o site www.facebook.com/ensaiopoetico). Você não pode criar obras derivadas.


Comentários