Fábio Costa
Se faz necessário transpor a alma através das palavras.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


A beleza e leveza do alto

 
Estava eu ali,
Mais leve do que o habitual.
O corpo, a mente e alma convergiam,
E a energia era natural.
 
O lugar propiciava o descanso.
Do corpo surrado pelas lutas não vencidas.
Eram lutas de um interior em chamas
Que encontrava “nãos” a revelia.
 
Marcado pela negatividade da vida,
Sonhos e desejos não mais existiam.
Foi preciso buscar o essencial,
E alimentar o corpo que padecia.
 
Interessante era o foco do olhar.
Antes direcionado para o horizonte à vista.
Era distante o que se almejava,
E não tinha força para a lida.
 
Abri mão de olhar ao meu redor.
Mais do mesmo que não convencia.
Decidi olhar para o alto
De onde a luz refletia.
 
O que vi transformou minha alma.
Era cor, era vida.
E eu ali debaixo daquela luz,
Sentindo o pulsar da energia.
 
O divino é leve, é do alto.
O divino é meu ser em alegria.
A leveza do que buscava se encontrava
Dentro do peito que ardia.
 
O peso que as costas carregavam
Deixei no chão de argila.
Carregava o limite dos outros
Imputava em minha essência a covardia.
 
Foi na beleza daquela luz que percebi.
Não há limites quando o desejo nos guia.
Existe a leveza do querer viver.
Existe a beleza desta vida.
 
         F©
MCMLXXVIII
 
Photo by @fabiocostapoeta
 
Pe Fábio Costa
Enviado por Pe Fábio Costa em 21/03/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de Pe. Fábio Costa e o site www.facebook.com/ensaiopoetico). Você não pode criar obras derivadas.


Comentários