Fábio Costa
Se faz necessário transpor a alma através das palavras.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Do amor
 
Dizia ser amor.
A fonte doadora secou.
Era atenção em demasia
Dada a outros que não sentiam.
 
Ela jurava ser amor.
Fazia, repetia, doía.
Mas esperava o receptor
Retribuir seus toques de harmonia.
 
Ela sonhava com seu amor.
Em meio a noites de insônia, sorria.
Acreditava em tudo que dizia
Só não percebia a mentira que ardia.
 
Então secou o amor.
Pétala sem vida, se desfazia.
O choro do engano retorcia
A alma sedenta que gemia.
 
Mas ela ainda tinha amor.
O caule verde lhe dizia
Que na vida tudo se recria.
Não podia ser do outro o que lhe pertencia.
 
Lançou na terra o amor.
Plantou o galho quase seco que morria.
Regou com lágrimas a própria vida.
Floresceu, então, amor que antes não existia.
 
E foi amor por toda a vida.
Todo seu.
 
         F©
MCMLXXVIII
 
Photo by @weekend_wanderlust_
 
Pe Fábio Costa
Enviado por Pe Fábio Costa em 15/03/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de Pe. Fábio Costa e o site www.facebook.com/ensaiopoetico). Você não pode criar obras derivadas.


Comentários