Fábio Costa
Se faz necessário transpor a alma através das palavras.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Pequena crônica das Crias dos Zarco
Fábio Costa
 
E quem não é dos Zarco (explico para desfazer as dúvidas: Arcos é uma cidade do Centro-Oeste Mineiro, apelidada de Bodoque ou simplesmente, Zarco) sente como se fosse. Essa cidade abraça seus munícipes com alegria e pura filiação. Assim aconteceu comigo. Cheguei aqui em 1986, aos 8 anos de idade. Somado ao novo deste lugar que se instaurava, seguia assustado, ouvindo meus pais conversando sobre a morte de Tancredo e a possibilidade de uma “guerra”. Aquelas palavras marcaram minha infância e chegada nestas terras.
Ali na Vila Boa Vista nos instalamos. A escola foi um locus de aprendizado. O bairro um charme. Fiz grandes amizades. Até meus óculos eu perdi na enxurrada que descia caudalosa no morro da vila. Quando cheguei em casa e contei foi uma surra só.
Dali mudamos para a Rua Vereador João Veloso onde me encantava o caminhão do seu Zé na esquina. Uma máquina velha encostada com uma carroceria esburacada. Ele servia de palco para encenar a vida que eu queria. Fazíamos teatro para nossos pais. Sabe? Sempre sonhei em ser ator. Talvez fosse comediante, mas a vida me lançou noutra direção e reprimi muito do humor que havia em mim. Enfim, foi preciso crescer para compreender que nem sempre se é o que se deseja, mas nos encaixamos na dinâmica da existência. Outra memória que trago do tempo vivido nessa rua era as brincadeiras de fim de tarde entre elas a amarelinha proibida de ser pulada no tempo da quaresma. As cadeiras de trança colocadas nas calçadas para a prosa dos adultos. Recordo minha mãe utilizando o pente fino para nos proteger dos piolhos. Ainda sinto a dor no couro cabeludo.
Da Vereador João Veloso fomos para o bairro Esplanada. Ah, quanta alegria. Parecia roça. Não tinha nada. Enquanto meu pai construía a nossa casa, recordo da árvore no meio do pasto. Subia nela e ficava mentalizando a casa pronta e dizendo a mim mesmo: “daqui uns dias não poderei ver o lado de lá”. A casa ficou pronta e acolheu nossa família, imperfeita, mas desenhada por Deus para viver uma grande história. Lembro-me do campinho, da trave de gol assassina (minha mãe gritava: “sai de perto dessa trave menino – ela cai e te mata”). Lembro-me dos cavalos e do coice que levei ao voltar pra casa. Fui arremessado por debaixo da cerca de arame farpado. As idas para a Escola do Maricota de bicicleta e do redemoinho de vento que me lançou longe quando eu atravessava o campo de aviação.
Daquele bairro nostálgico, voltamos para o centro. A rua era a São Geraldo. A casinha velha e azul quase de esquina com um quintal que se transformava numa Nárnia. Ali inventávamos histórias e foi ali que descobri que ser gente grande dói. Chegou o tempo das decisões. Tempo de planejar o (im)planejável. Tempo de fazer escolhas que pensava ser para a vida – ah, gastei tanto tempo para compreender que nenhuma escolha é para sempre – e então decidi.
Deixei aquela casa rumo ao seminário. Fui buscar responder à minha vocação. Foram outros tempos e experiências. Talvez eu escreva outra crônica sobre essa fase da vida. Então: saí dos Zarco mas os Zarco nunca saiu de mim. Acredito que isso aconteceu com todos os que foram cria dessa cidade. Passaram por histórias e memórias. Fizeram escolhas e tomaram decisões, mas o gostinho dessa terra acolhedora, por mais distante que estejamos sempre corre nas veias. Ser cria dos Zarco é ser pleno de memórias. É conectar com outras histórias, semelhantes e diversas da sua e mesmo assim sentir-se em casa. É percorrer as ruas do presente sem negar o passado que revigora. É ser filho de uma terra, mesmo estando ausente.
Hoje brincamos no facebook com as máximas “Se diz cria dos Zarco” e pudemos rememorar nossas histórias. Um pequeno exercício em meio ao mundo adulto que vivemos. Uma pausa nas obrigações que nos impomos como supostos adultos. Um refrigério para a alma de criança que é sufocada com nossas reuniões chatas e sem futuro. Hoje foi dia de revisitar aquilo que nos mantém vivos em meio ao caos – nossa história. Sou cria adotiva dos Zarco, mas dali tirei muita vida e hoje sou o que sou por ter vivido minhas memórias. Obrigado Bodoque; obrigado Zarco; Obrigado cidade do meu coração.
 
Pe Fábio Costa
Enviado por Pe Fábio Costa em 06/03/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de Pe. Fábio Costa e o site www.facebook.com/ensaiopoetico). Você não pode criar obras derivadas.


Comentários