Fábio Costa
Se faz necessário transpor a alma através das palavras.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


A dança da água
​​​​​​
Era um balde, 
Eram dois
A água do 119 é escassa
Ainda bem que tomamos cerveja
Só uma das três é que não gosta
e ela corre pra encher o balde
Para não espantar a visita

Diamantes já não há
E agora essa, faltando água em Diamantina!
O que não falta é pernilongo
Sobram cerveja e monumentos Flashes de por do sol
A nossa vista e visita sob os raios de Luz

Na água escassa do 119
A falta de graça vira sorriso
Que vira gargalhada
A  chuva chega espantando os pernilongos
Bora “diamantinar”?
Que amanhã é outro dia...

Em minha passagem por Diamantina, fui acolhido na casa de número 119. As figuras singulares que habitam aquele lugar mágico me inspiraram um poema intitulado 119. Foram histórias e memórias que ficarão registrados na minha alma. Impossível falar de tudo que vivi ali naqueles dias. Hoje recebo o poema da Deusana que descreve algumas peripécias experimentadas. 
Gratidão. 
Deusana do 119
Enviado por Pe Fábio Costa em 19/11/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de Pe. Fábio Costa e o site www.facebook.com/ensaiopoetico). Você não pode criar obras derivadas.


Comentários