Fábio Costa
Se faz necessário transpor a alma através das palavras.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Um bichano, um vinho, uma varanda, um amigo


Eu quis,
Estar na varanda na hora sexta.
Ver o sol se por atrás da fábrica.
Quis a taça cheia de vinho merlot
Tendo de um lado a gata,
Do outro o seu calor.

Enquanto o brilho do sol se escondia,
As nuvens cheias de tons e diversos formatos
Ganhavam minha alma sedenta
De compreensão pelo dom da amizade.

A brisa fresca da tarde de verão cortava a varanda.
Tocava o bichano, os rostos e as taças.
Assobiava no gargalho da garrafa
E selava nossa afeição para sempre.

Entre frases sem nexos e versos
A mente era povoada por sentidos.
Não era mente sã – daquelas que vê o interesse.
Era mente doente de compaixão – coisa de cristão.

Não pude traduzir os sentimentos.
O vinho tinha tomado a razão.
Mas não era preciso dizer nada.
Havia ali, o meu sentido de viver:
Um amigo, uma varanda, um bichano e o vinho...
Cor de sangue... cor da alma... cor do coração.

Eu quis eternizar o momento.
Parar o sol, o vinho e o movimento.
Quis deixar o tempo suspenso
Pra ter tudo isso pra sempre.
Sem perdas e nem ressentimentos.

Mas como o sol se pôs,
A garrafa secou e bichano correu.
Sobrou você e eu...
Na memória, as nuvens e a brisa,
Na cadeira da varanda – a imagem do amigo meu.
Pe Fábio Costa
Enviado por Pe Fábio Costa em 07/11/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de Pe. Fábio Costa e o site www.facebook.com/ensaiopoetico). Você não pode criar obras derivadas.


Comentários