Fábio Costa
Se faz necessário transpor a alma através das palavras.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Registros
 
Maculado por destino
Registro a essência no cotidiano.
O que permanece, encanta;
O que se esvai, espanta.
Retira fantasmas da alma aflita,
Emana...
E minha identidade é lida nas paredes.
Na madrugada silenciosa, projeto
Meus dedos cansados de tatear.
Olho, percebo o contorcer do braço.
Fatigado do escárnio, me safo.
Faço gesto de descontentamento.
Ninguém vê.
A sombra imita o pensamento hostil
E por mais educado que a mão seja, o registro é fútil.
Na mente, surge a memória da fragilidade.
Ser imperfeito que degola os paradigmas.
A sombra diz mais de mim.
Ela reflete o meu interior.
Seu registro é registro unitário.
Traço da falta que latente, me entende.
Se olho a mão projetada,
Vejo o desejo que treme... não admito.
Temo ser de fato real, ocupo-me em ser reflexo.
Basta apagar o foco de luz
Pra restar os registros desta alma pungente.
Trago a mão até os olhos...
Durmo, sonho... amanhã serei eu ,
Ser errante, amante, temente.
Resta apenas uma linha de salvação
Não acender a luz e transgredir no real do corpo.
Afinal, sombras são sombras.

Foto de Adão Roberto da Silva
Pe Fábio Costa
Enviado por Pe Fábio Costa em 26/09/2017
Alterado em 26/09/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de Pe. Fábio Costa e o site www.facebook.com/ensaiopoetico). Você não pode criar obras derivadas.


Comentários