Fábio Costa
Se faz necessário transpor a alma através das palavras.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos



Notas de Primavera
 
Paro o carro e contemplo, sem descer, o roxo da flor.
É beleza nua, posta diante dos olhos.
Não cobra a atenção. Vê quem quer.
Está lá. Aguarda o olhar contemplador.
-----------------------------------------
Linda, leve primavera.
Chega com ares de livramento.
Arranca do peito o tempo gélido do inverno.
Inaugura a estação das flores.
-----------------------------------------
Estação que marca o movimento,
Da alma sedenta do florescer.
Sou jardim irrigado e plantado.
Sou o novo. O tempo. O prazer.
-----------------------------------------
Quase passei desta vida.
Dor no peito, senti.
Era o coração dando sinais.
De que o cuidado chega por mim.
Tratei as horas com zelo,
Levariam-me à primavera.
Ser novo me fiz.
Flores colhi, no jardim do peito meu.
-----------------------------------------
Primavera rima com perdão.
Rima com a métrica da desilusão.
Sequência de versos desconexos,
Enraizados no profundo do meu chão.
-----------------------------------------
Pequenas notas que marcam o compasso.
Registram o que a alma sente – gratidão.
Pelo ciclo que não se fecha,
Resta a flecha. O alvo é punição.
Volta-se para o tempo novo.
Primavera. Flor roxa. Olhar ingênuo.
É a beleza dando sinais ao coração.
 

 
Pe Fábio Costa
Enviado por Pe Fábio Costa em 23/09/2017
Alterado em 23/09/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de Pe. Fábio Costa e o site www.facebook.com/ensaiopoetico). Você não pode criar obras derivadas.


Comentários