Fábio Costa
Se faz necessário transpor a alma através das palavras.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Envelhecer

 
Dos anos que ainda me restam, eu pouco sei.
Será o dobro do que já vivi?
Ou metade do que sonhei?
Não sei.
 
Percebo apenas as marcas do tempo.
Chegam devagar, instalam-se e desdenham,
das forças que ora tinha.
Prova que não sou eterno
muito menos aquilo que me convém.
 
Sou a estrada que percorri.
As paradas que experimentei.
Sou as noites que sonhei.
As tardes que chorei.
 
Sou mais velho do que ontem,
do amanhã, nada direi.
Sou presença feita de ausências.
Rugas profundas - cicatrizes.
 
Este tempo incontrolável
rasga o peito com incertezas.
Na dúvida, relembro a calçada
o giz de cera, a cerca.
 
Relembro a bola, a viola,
o capim que corta e as deixas...
de um tempo que me fez envelhecer,
mas não esmorecer em queixas.
Foto: Adão Roberto da Silva
 
Pe Fábio Costa
Enviado por Pe Fábio Costa em 14/09/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de Pe. Fábio Costa e o site www.facebook.com/ensaiopoetico). Você não pode criar obras derivadas.


Comentários