Fábio Costa
Se faz necessário transpor a alma através das palavras.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


O peso
 
Projetei.
Mil máscaras te dei.
Nenhuma você usou.
Discursava em ser o normal.
Rosto sem expressão me mostrou.
 
Sua própria máscara não se encaixava.
Era dicotômica, incerta, fadada
E descortinava verdades escondidas.
Era mais uma que você carregava, e não via.
 
O peso das minhas máscaras eu sei.
De cada uma experimentei.
Senti o doce e amargo de ser tantos.
Me tratei, trato e ainda não terminei.
 
Cego e sem rumo vagueia.
Jura saber a direção. Que engano!
Sem tomar consciência de qual máscara causa espanto,
Será apenas acúmulo de histórias e prantos.
 
Não dá pra viver sem máscaras,
Mas não dá pra fingir que não tem.
É preciso colocar uma e enfrentar o caminho,
Ou retirar todas e procurar no além.
 
O peso de cada uma engana,
Desmascara a vida insana
Retrata a dureza da lida
Que deve ser vista sem dramas.
 
Mas quando o confronto é negado,
Joga-se a máscara que usava de lado,
Busca uma desculpa, um engastalho
E diz que foi o destino, coisas do passado.
 
Então um novo campo se abre,
Sem máscaras busca-se caminhar
Doce ilusão que encanta
Tudo se repete, e o peso das máscaras o ombro vai machucar.
 
Não dá pra negar. Tem que tratar.
Pe Fábio Costa
Enviado por Pe Fábio Costa em 07/09/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de Pe. Fábio Costa e o site www.facebook.com/ensaiopoetico). Você não pode criar obras derivadas.


Comentários