Fábio Costa
Se faz necessário transpor a alma através das palavras.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Genuflexão 

Ajoelhei, ali.
Era madeira nobre.
Gasta pelos joelhos em oração.
Sentia a fé de tantos em plena desilusão. 
Mas vivi a esperança de muitos no silêncio da oração. 

Contemplei a luz que emanava do Teu altar.
Era luz divina a embalar, 
sonhos desfeitos pela crença do amar.

Conforto busquei em Ti.
De joelhos dobrados em adoração. 
​​​​​​O que eu tinha era a palavra. 
E dela extrai, força para prosseguir. 

Sentia a madeira dura a me ensinar.
Que a vida leve não veio ficar,
mas passou iludindo o olhar. 

Assim fiz minha genuflexão. 
Terminei de pé meu silêncio de oração. 
Deixei teu espaço sagrado pra voltar.

Voltar pra luz do mundo que grita.
Infâmias em desmedidas. 
Ali, ser forte e desbravar 
de joelhos apostos. O mundo que virá. 
 
Photo by José Alberto 
 
Pe Fábio Costa
Enviado por Pe Fábio Costa em 03/09/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de Pe. Fábio Costa e o site www.facebook.com/ensaiopoetico). Você não pode criar obras derivadas.


Comentários