Fábio Costa
Se faz necessário transpor a alma através das palavras.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Porta
Fábio Costa

 
Encostada, sem tranca
aguarda os sinais de seus passos;
o anúncio de sua chegada
o retorno de quem nunca se foi.
 
Nas tardes ensolaradas,
nos degraus de minha porta
observo a poeira no ar
e os vultos que se deslocam.
 
Neles não lhe reconheço,
mas aguçam as memórias de outrora.
Seria o tempo dizendo: espere?
Ou o coração apontando as derrotas?
 
Afinal você se foi,
e ela se fechou pela última vez.
Rangeu pela ausência de afetos
Dilacerou o peito meu.
 
O sol se põe e os vultos se apagam.
Já não distingo nem mesmo os pássaros.
Aqueles que cantavam no final da tarde
no mesmo compasso e horário.
 
Junto ao sol as memórias esfriam.
Adentro pela porta que range.
Atrás de mim o som da madeira
dentro, a dor da sua ausência.
 
Ela não tem tranca e fica encostada.
Sempre aguardando seus passos na escada.
O toque que recorda sua chegada
e o som da chave que gira
dando sinais de que nunca mais me deixará.

Photo by Adão Roberto da Silva
 
Pe Fábio Costa
Enviado por Pe Fábio Costa em 10/08/2017
Alterado em 10/08/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de Pe. Fábio Costa e o site www.facebook.com/ensaiopoetico). Você não pode criar obras derivadas.


Comentários