Fábio Costa
Se faz necessário transpor a alma através das palavras.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Cortes
Fábio Costa

 
Talhado a machado, sou.
Cortes disformes e profundos.
Arrancam lascas de excesso,
Marcam o tronco escuro.
 
Naquilo que sou e nem sei
Paira a dúvida do querer saber.
É necessário? Neguei
Deixei-me cortar por meus sobressaltos.
 
Ah, cruel metamorfose!
Estilhaça o pouco que edifiquei.
E quando penso ter acertado
Vejo o machado, afiado.
 
Não temo os cortes da alma.
Vivo intenso para morrer.
Se desdenho o sentido da vida
Sou um louco, fingindo viver.
 
Então, machado afiado,
Recorte os cortes que eu mesmo fiz
E deixe as cicatrizes na alma
Elas são sinais de tudo o que vivi.

 
Pe Fábio Costa
Enviado por Pe Fábio Costa em 28/07/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de Pe. Fábio Costa e o site www.facebook.com/ensaiopoetico). Você não pode criar obras derivadas.


Comentários