Fábio Costa
Se faz necessário transpor a alma através das palavras.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Áudios

Distante
Data: 22/06/2017
Créditos:

Poema Distante na voz de Pe. José Carlos Pereira (um agradecimento especial)

Trilha Sonoroa: Nona Sinfonia de Beethoven


Poema selecionado no Concurso Nacional Sarau Brasil 2017.
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de Pe. Fábio Costa e o site www.facebook.com/ensaiopoetico). Você não pode criar obras derivadas.



Distante

Não sou mais o mesmo.
Nunca fui o que sou.
Sou metamorfose emblemática,
vento norte que escapa
trazendo nuvens sombrias.
 
Meta que distancia enquanto aproximo.
Cansaço marcado pelo barro amassado.
Caminho percorrido em vacilos.
Sento-me, descanso. Não desisto.
 
Renovo as entranhas de minh’alma.
Deliro apalpando a plenitude do ser.
Não sou sendo...
sou enquanto me vejo.
Mas se não me encontro,
nada temo.
 
Fria brisa, puro alento.
Leveza de uma vida que se esvai.
Distante da perfeição – compreendo.
Reflito sobre meu chão, meus ais.
 
Enquanto as nuvens passam
ondas do mar meus pés tateiam.
A alma se esvazia em gratidão
E por um segundo me percebo,
perto ou distante do meu centro.
O que importa?
Meu banco, meu céu, meus pés no sereno.



Foto: Google
 
Enviado por Pe Fábio Costa em 25/05/2016

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de Pe. Fábio Costa e o site www.facebook.com/ensaiopoetico). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Comentários